quinta-feira, 6 de outubro de 2016

EU SOU UM CACTO


Eu antes namorei-a
Foi bom
Era como está num jardim de margaridas

Antes ainda namorei-o
Foi bom
Era como está num jardim de crisântemos

Mais antes ainda namorei aquela
Foi bom
Era como está com os pés num lago

Bem mais antes namorei aquele
Foi bom
Era como caminhar na praia com as ondas lambendo meus pés

Bem mais antes ainda namorei alguém
Foi bom
Era como num canteiro de girassóis em dia nublado

Mas agora eu te namoro
É bom
Apesar de ser como abraçar um cacto
Magrelo, espinhudo, desfolhado
Mas Meu
Seguro que é meu
E que te tenho.

E que antes eram paixonites inconsequentes
Hoje vaga entre doloroso e gostoso.
Não sei, será amor...


 Rubem Leite é escritor, poeta e crontista; professor de Português, Literatura e Artes. Escreve ao Ad Substantiam semanalmente às quintas-feiras. E toda segunda-feira no seu blog literário: aRTISTA aRTEIRO.

  Manuscrito na tarde de 03 de outubro de 2016 e trabalhado nos três dias seguintes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário