segunda-feira, 7 de novembro de 2016

O Brilho da Careca de Lênin em Lataria de Ambulância

Pintura "Multidão" de autoria da Kátia Almeida



Este conto se passa em uma cidade fictícia, de um Estado inexistente dentro de um país que poderia existir.

O prefeito de esquerda, Valdécio Bantim, conseguiu, depois de dois anos de mandato, trazer ambulâncias de atendimento móvel para a acidade de tamanho médio de Jabuticaba do Sul. Pelas ruas do município as luzes coloridas e o som das sirenes se espalhavam, estatísticas comprovaram que, naquele ano, a mortalidade caiu 60% em Jabuticaba e a velocidade do atendimento aumentou em 30%.
Opositores do prefeito afirmaram ver as garras do comunismo nesse projeto nefasto, viram o demônio nas sirenes vermelhas de Bolchevique das ambulâncias altamente equipadas para iludir o povo e ganhar votos para que uma ditadura Comunista ali se instaurasse. Podiam ver o brilho da careca de Lênin no branco da lataria dos veículos. Alguns ricos da cidade, inimigos ferrenhos de Bantim, passaram a confrontar seu governo com certas teorias da conspiração, como “ambulância é compra de voto” ou “Ambulância primeiro, Stalin depois”, deixando determinada parte da população em pânico.
O principal acionista do hospital particular da região, o São Domingos, passou a apoiar o crescente falatório e o institucionalizou por meio do MLJ (Movimento Libera Jabuti), que luta contra as ambulâncias, principais símbolos da ameaça comunista esquerdalha ali. Meses marcados por agressões a motoristas de Unidades de atendimento móveis se passaram. As alas conservadoras da câmara dos vereadores vislumbraram ai uma oportunidade, tanto de enfraquecer o prefeito, inimigo político, como de fazer nome para as próximas eleições. Uniram-se ao principal acionista do São Domingos em apoio ao MJL.
A primeira manifestação ocorreu em XX/XX/XX e parou o trânsito, segundo o maior jornal da cidade, o Planetóide, um milhão de pessoas foram as ruas da cidade de 500 mil habitantes para protestar contra as ambulâncias, se o maior jornal da cidade diz, logo deve ser verdade.
Em um vídeo para a internet, publicado na página de facebook do MLJ, o líder do movimento, Jim Catapiqui, descendente de tailandeses, afirmou:
– As ambulâncias aumentaram o número de doentes em Jabuticaba do Sul, todos os dias veem-se elas indo e vindo com doentes em estado grave. Antes delas quantos viam isso? A resposta é simples: Não haviam doentes, mas agora, NO COMUNISMO, eles colocaram as ambulâncias, responsáveis pelo aumento das pestilências. Todo dia agora acontece alguma tragédia e todo da há uma dessas portadoras do bolvhevismo satânico se esgueirando no trânsito, atrapalhando o trânsito dos cidadãos de bem, que vão ao trabalho. Eles trouxeram os doentes para doutrinar, querendo dizer que no capitalismo não há boa saúde!
O vídeo foi compartilhado por dez mil pessoas e curtido por cento e cinquenta mil, número expressivo para os padrões da cidade. Para Bantim se tornou mais difícil aprovar medidas e se encontra cada vez mais isolado, tem o maior jornal da cidade e um movimento inflamado contra si. Sobre o futuro muito se tem dito, o acionista do São Domingos garante que será candidato a prefeitura, o MLJ o glorifica e os nomes dos vereadores pesam mais na boca do “povão” do que os escândalos vinculados a eles, “corruptos, mas íntegros”, dizem sobre os políticos conservadores. No Planetóide as acusações sobre tais políticos não aparecem e quando surgem são sempre antecedidas por um “suposto” ou “supostamente”. Semana passada saiu uma notícia em primeira página: “A Casa Caiu? Prefeito Bantim tem panela inox não declarada e se abrirá contra ele investigação”. Na página dois havia: “Motorista de ambulância é visto lendo livro marxista na entrada da FRVJ (Faculdade Regional da Baixa da Jabuticaba).
– Comunistas malditos esses bolcheviques das ambulâncias, eles espalham doenças, antes deles você não ouvia falar de câncer, engasgamento e essas coisas por aqui, desde que vieram, trazidos pelo BANDIDO Bantim, é direto essas ambulâncias passando com doente. Sou neoliberal, sou contra o comunismo e contra o Estado entrar na minha casa e me levar ao hospital. – Disse um estudante de ensino médio ao ser perguntado por um cinegrafista amador e blogueiro.
– O que é comunismo? Bolchevique e Neoliberal? Poderia definir? – Pergunta socraticamente o blogueiro.
– Ah, você tem sua opinião e eu a minha. – Responde o jovem, esquivando-se.
Há outro protesto marcado para domingo, o MLJ, com dinheiro de partidos e do Hospital particular São Domingos, pretende promover uma grande movimentação de frente a garagem do Hospital Público local, impedindo a entrada e saída de ambulâncias. O juiz do TER-JS, Sergei Roro, afirma que é necessário dureza na investigação da panela Inox não declarada do Prefeito e que pessoas corruptas não devem estar no poder, levando os seguidores do MLJ as punhetas.
Jubuticaba do Sul virou um grande circo a céu aberto?



SUED

Nome artístico de Línik Sued Carvalho da Mota, é romancista, novelista, cronista e contista, tendo dois livros publicados, também é graduanda em História pela Universidade Regional do Cariri. Militante comunista, acredita no radicalismo das lutas e no estudo profundo de política, sociologia, História e economia como essenciais para uma militância útil.
Escreve ao Ad Substantiam semanalmente às segundas-feiras.
Contato: lscarvalho160@gmail.com



2 comentários:

  1. Texto "ficcional" muitíssimo bom. Compartilhei no fb e vou indicá-lo no meu próximo texto no aRTISTA aRTEIRO.
    Uma dúvida, MLJ é Movimento Libera Jabuti mesmo? Ou seria Movimento Libera Jabuticaba?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Libera Jabuti, é como a população chama carinhosamente a cidade.

      Excluir